Jefferson Airplane – Volunteers (1969)

Jefferson Airplane - Volunteers (1969)

Jefferson Airplane são o complexo, que em 1966 lançou o ácido-rock em uma escala global. Seu primeiro single lhes rendeu a primeira página dos principais semanais e invadiu o rádio no país. O Jefferson Airplane, aprofundando uma idéia que foi do Byrds, criou a síntese da música psicodélica, e como era conhecido pela jovem burguesia, criou o padrão para o qual seriam inspirados músicos comerciais. Eles possivelmente foram aceitos (pelo menos inicialmente) porque as raízes do folk e blues ainda eram visíveis, porque a melodia ainda era o centro de gravidade da harmonia. Eles se tornaram o ícone por excelência do ácido-rock, dos hippies e da magia verão de San Francisco.

É, talvez, uma forma de justiça divina afirmar que Jefferson Airplane, Grateful Dead, Velvet Underground, Red Crayola e Captain Beefhaert foram certamente os grupos mais influentes na música para as décadas seguintes. Na realidade, o Jefferson Airplane não eram somente importantes como inspirações, iniciadores, promotores de uma temporada musical, mas eles foram realmente grandes músicos e escreveram verdadeiras composições. O problema é que essa música tinha letra que rapidamente se tornava anacrônica. As músicas da banda eram de fato cada vez mais auto-referenciais dentro de seu próprio universo, ou mais, simplesmente autobiográficas: puro apelo de marketing.

O complexo foi formado no caos criativo do verão de 1965 pela união de seis músicos de experiência musical e humana diferente: o gráfico Marty Balin, cantor que vem dos clubes populares de Nova York e dedicado a muitas atividades; Paul Kantner, cantor e guitarrista, estudante local, que tinha começado a tocar banjo; Jorma Kaukonen, o guitarrista da costa leste; Alexander “Skip” Spence, guitarrista canadense para a bateria; Signe Anderson, cantor e Jack Casady, baixista, conterrâneos e amigos Kaukonen.

Volunteers (RCA, 1969), o disco que vem desse clima de batalha que marca oficialmente a transição da utopia para a política, é um daqueles momentos em que o complexo atinge a completa fusão da música e da vida. Todo o aparato de música envolvido (o slogan da propaganda, a canção de guerra e o registro da realidade) perde o caráter de um assunto relacionado a um tempo e se expande sobre os significados universais. Pode ser soldada a uma música espontânea e simples emanação direta dos textos, e, ainda é capaz de capturar completamente o humor de uma geração. Musicalmente essas tendências diferentes se traduziram em uma retomada da tradição (o símbolo da civilização rural em contato com a natureza, a calmaria) e um som mais agressivo (típico das guerras ou das cidades). Entre os colaboradores do disco há grandes nomes, até mesmo decisivos: o pianista Nicky Hopkins, o baterista Joey Covington, o guitarrista Jerry Garcia e David Crosby no papel de conselheiro espiritual. Jefferson Airplane não são simplesmente um conjunto de música rock, eles passaram a representar um ponto de referência para os músicos de elite da Bay Area, tanto para os espíritos livres e nômades como para famosas bandas.

Grande parte do disco se desloca no sentido da recuperação de formas e valores do passado. Os dois tradicionais que vivem reorganizados na sombra da atmosfera alucinatória e misteriosa. Good Shepherd é uma balada folk e nostálgica, uma visão da redenção do fundo sonhador de intensidade quase religiosa com violino e guitarra que emitem aromas de igrejas e pastagens, enquanto Meadowlands é uma fanfarra de teclados para um funeral de uns minutos em um ambiente assustador da eterna melancolia desesperada. Ainda mais comprometida com a recuperação das raízes é a alegria e a casa rústica de The Farm e o coral de A Song For All Seasons, os dois country-rock.

Por outro lado, tem-se uma mente clara, livre das emanações tóxicas da droga, com crueza que se encaixa completamente na realidade. We Can Be Together grita a declaração orgulhosa de guerra pelos “bandidos da América” que querem “derrubar” os muros, e é na verdade um hino em forma de coral, apoiado por um blues-rock marcial com guitarra distorcida de Kaukonen e plano de Hopkins para dobrar a ênfase da melodia. E Volunteers, falar com raiva a palavra de ordem, revolução, ao ritmo da marcha do exército “voluntários da América”. Hey Fredrick possui no longo ritual a coda instrumental de uma jam improvisada de blues-rock. O milagre se repete em Eskimo Blue Day, com suas espirais de voz que retornam ao mesmo ponto, e se estendem austera e majestosa à taxa de viagem do chão e ao som de uma flauta encantador.

David Crosby dá aos seus amigos outra jóia: Wooden Ships. Refinado e sonho como todos os seus contos de fada, fazendo uso de todos os instrumentos, do piano para o violino, e todos os rumores, mas sempre mantendo um equilíbrio de harmonia cristalina; fala de uns navios negros para escapar de uma espécie de terra prometida; cada navio é uma arca cheia de quem vai ser salvo da catástrofe nuclear, o cruzamento longo oceano é feito e temos a queda de vozes, quase seguindo o movimento das ondas e da marcha majestosa das velas sobre a enorme extensão de horizontes e água. Na visão de Wooden Ships, em sua mistura de apocalipse e sonho, além da luta, e a bandeira para o qual você luta, ainda assim só resta o homem, com seu desesperado desejo de encontrar um canto do universo próprio em que não há necessidade de lutar por qualquer bandeira.

Guilherme Rodrigues

Álbum completo:

Site da bandahttp://www.jeffersonairplane.com/

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Resenha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s