TOP álbuns 2014

E ae caralhadas! 2014 foi um ano bem fodido em vários sentidos, fazer essa lista um dia depois da morte do Joe Cocker é bem significativa pra mim afinal, falar de música agora seria uma homenagem ao um dos que ajudou a sua evolução. Falar das músicas de 2014 me toca porque foi um ano que certamente trouxe muitas que me acompanharam durante esses 365 dias agourentos então sem delongas eu como membro do musical milita trago a vocês meu top 25 álbuns do ano.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria

Lorde – Pure Heroine (2013)

20131013_lorde_pure_heroine_91

“É um álbum pra ser apreciado com o tempo” (ou não) – L. F. Alves.

Enfim, falar sobre Lorde quando expressar minhas diversas controvérsias a música que ela faz pode ser uma tarefa um tanto quanto subjetiva demais, contudo, posso não ser o único a partilhar dessa opinião, mas tentando focar nos moldes específicos de qualidade musical para depois passar para a análise individual vou trazer aqui o melhor possível de uma nova visão para esse trabalho e se não, reforçar alguns pontos, vamos lá.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria

Judas Priest – Redeemer of Souls (2014)

Redeemer-of-souls-album-cover-art-1280

 

Metal como só os clássicos são feitos, é como se resume o novo trabalho da banda que é obrigatório no currículo de qualquer apreciador do bom Heavy Metal e suas vertentes. Desde 2008 estamos a espera de novas músicas desde que anunciado em 2011 que elas começavam a surgir…afinal quando a banda lançou Nostradamus a situação ficou um pouco desconfortável já que o mesmo dividiu um pouco a opinião dos fãs, a pressão sobre Redeemer of Souls era grande e as expectativas de quem esperava coisa boa com certeza foi alcançada.

Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Resenha

Baden Powell – Os Afro-sambas (1966-1990)

ln79-baden-powell-afro-sambas

 

O violonista brasileiro Baden Powell como é conhecido artisticamente é reconhecido na sua orla musical, a aclamada pelos então “veteranos” deste pais, a MPB de Ouro, característica da época de repressão a música do período de regime militar no Brasil. Agora, vem então vossas pessoas se perguntarem porque alguém como eu fui acabar me encontrando a escutar Baden Powell e sua MPB quando minha, digamos,”especialidade musical” se encontra principalmente no folk/power metal, bom, para aqueles que me conhecem sabem que me identifico com as diversas formas de paganismo recebendo um título simbólico de místico, Os Afro-sambas é um álbum repleto de uma expressão mítica e mística em sua musicalidade da umbanda e o candomblé expressões religiosas cuja minha pessoa apresenta certo interesse, dado essa explicação espero que possam então entender melhor minha particularidade a obra deste gênio nacional.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Resenha

Lana Del Rey – West Coast (2014)

lana-del-rey-west-coast1-400x400

 

A música lançada no exato dia 14/04/2014, ou seja hoje, revela a nova era da cantora e logo após escutá-la pela primeira vez senti a necessidade de escrever sobre a mesma.

Down on the west coast, they got a saying, if you’re not drinking; then you’re not playing ”

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Resenha

Summoning – Dol Guldur (1996)

88

Lançado em 1996, Dol Guldur terceiro álbum da banda Summoning apresenta já uma estrutura básica que vinha sendo trazido desde os trabalhos anteriores do grupo, estes sendo o Lugburz e o Minas Morgul; seguindo a tradição novamente o tema principal são as obras de Tolkien neste retratados de maneira até mais cuidadosa, colocaria eu em tais palavras; bem, para começar  a falar então de Dol Guldur, eu diria que é um disco épico!

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Resenha

Moloko Vellocet – 1 Cup (2014)

Cover

 

Perturbador, é a palavra de ordem para 1 Cup do Moloko Vellocet. Composta por apenas um integrante, a “banda de um homem só” vem trazer seu cybergrind com uma atmosfera de fato “cyber”, parte por causa de sua bateria característica que torna tudo muito frio, um som cruel e ao mesmo tempo rápido, as curtas durações de cada faixa são como facadas, que entram pelo seu ouvido, suave, mas sem se demorar para que você não perceba que ela está lá, e aos poucos vai introduzindo suas doses de (ultra)violência musical.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Resenha